Sine Mora

Review: Sine Mora

O game independente , da Digital Reality e Grasshopper Manufacture, foi lançado primeiro para Xbox 360, via Xbox Live, mas foi no PS Vita que ele ganhou motivo para existir. O jogo traz uma nostalgia dos jogos estilo R-Type, mas com gráficos atualizados e ação envolvente.

Veja também: Leia o review de The Last of Us

Sine Mora é um shooter no estilo 2,5D, ou seja, possui gráficos em 3D, mas com jogabilidade 2D, com evolução lateral. O famoso jogo de “navinha” como ficou conhecido no Brasil, se destaca por ter cenários ricos, diversidade de fases, várias naves com personagens diferentes para o jogador comandar e chefes de fase gigantescos que desafiam a habilidade do jogador.

Os gráficos do jogo Sine Mora são bem interessantes, mas poderiam ter sido melhor trabalhados para a capacidade desta geração. Em alguns momentos, parece que faltou cuidado no “acabamento”, mas nada que comprometa a ação e a diversão.

Por outro lado, os aviões que você pilota são bem detalhados, e carregam um ar retrô, como se fossem aviões da Segunda Guerra, mas com um poder tecnológico imenso, atual e fantasioso, como um bom jogo deste gênero pede.

Sine Mora

O som deve ser o ponto mais fraco do jogo, sendo um pouco abafado e com pouca criatividade e variedade. Além disso, Sine Mora carece de uma trilha sonora que empolgue. Uma trilha incidental épica, com certeza comporia com perfeição este mundo criado por eles, que é uma mistura de fantasia, Segunda Guerra e Steampunk.

Um estímulo à habilidade e o reflexo

Se os gráficos são bons mas não topo de linha, e o som não é lá essas coisas, onde o game Sine Mora se destaca? Sem dúvida na jogabilidade. O jogo estimula a habilidade e o reflexo, além de obrigar o jogador a se adaptar para derrotar cada grande chefe.

O ponto negativo fica por conta da pouca variedade de armas disponíveis. Os bons jogos deste estilo são reconhecidos pela jogabilidade frenética, com muitos tiros voando pelo ar de todos os lados, obrigando o jogador à apurar seus reflexos. Isso até acontece em Sine Mora, mas por causa do número de inimigos da tela do que pela arma do próprio jogador, que é básica e não há a possibilidade de trocar a todo momento durante e ação.

Faltou apenas a possibilidade de se salvar a qualquer momento. Creio que seja um requisito fundamental para um jogo portátil, pois em essência, o jogador tem pouco tempo para se dedicar a um jogo com essas características, ou está em trânsito, ou em uma tarefa e outra só para relaxar. Ter que terminar uma fase gigantesca para não perder sua evolução, é um incômodo muito grande.

Sine Mora se torna divertido por causa do conjunto de fatores que já foram citados, chefes desafiadores, cenários diversificados e bonitos, jogabilidade simples e eficaz e ação frenética. Outra grande “sacada” é o recurso de câmera lenta, usada para se livrar de algumas enrascadas, quando a tela tiver tomada de tiro por todos os lados. Por ser uma facilidade, esta ação é bem limitada.

Gráficos7.8
Som6.5
Jogabilidade7.7
Diversão8.5
Apesar de seus pequenos defeitos, Sine mora é um jogo recomendado para quem é fã do gênero, mas não deve divertir que não está habituado com o estilo. O review foi feito utilizando um PS Vita, mas o game está disponível para Xbox 360, PS3, iOS e Android, sempre com um preço bem em conta, que não vai pesar no bolso.
7.6
Assuntos Sine Mora

Pedro Cardoso

Carioca, jornalista e apaixonado por games, cinema e esporte. Jogo videogame desde o Atari.