PCPS4Xbox One

Análise sobre a expansão ‘A Maldição de Osiris’ de Destiny 2

Como era esperado, a campanha é bem curta

O game já tem a sua primeira expansão da história, seguindo a mesma rotina de lançamentos do primeiro título da série. Com a chegada de “A Maldição de Osiris”, disponível para PC, PS4 e Xbox One, o jogo entra em sua segunda temporada e recebe diversas novidades. Mas será que vale a pena?

Veja também: Overkill’s The Walking Dead é um jogo de tiro cooperativo

Como era esperado, a campanha é bem curta, mas me surpreendeu por ser tão enfadonha. Desde que a corrigiu a narrativa de Destiny com a chegada de ‘O Rei dos Possuídos’ (até hoje a melhor expansão) e ter feito um trabalho primoroso com a campanha principal de Destiny 2, esta foi sem dúvida a campanha mais sem graça.

Destiny 2 - Curse of Osiris

É preciso dizer que os cenários são belíssimos. A equipe artística está se superando cada vez mais. Ver Mercúrio antes da dominação Vex deu um vislumbre do que o universo do game perdeu com a presença constante e ameaçadora da Escuridão. Apesar desse visual indescritível, que te deixa com o queixo caído, a falta de ritmo acaba não empolgando.

Por outro lado, a ideia de dividir o tempo do jogo em temporadas agrada em cheio, assim como fazem outros jogos como Overwatch, Hearthstone, Rainbow Six Siege e tantos outros que exploram a proposta do “game as a service”. Tendo essa marcação de tempo melhor definida, a Bungie pode explorar ainda mais a troca de equipamentos e conteúdo cosmético do jogo. O Eververso, por exemplo, mudou de engrama e oferece toda uma nova linha de produtos, com design diferente, além de novos gestos e dança.

Destiny 2: A Maldição de Osiris

O novo Farol é menor e não faz nem sombra naquele Hub social almejado pelos participantes dos “Desafios de Osiris” no Destiny 1. Agora, você encontrará o Irmão Vance, que não dará mais passagem para o Crisol, mas sim, missões e equipamentos exclusivos de Mercúrio, assim como Failsafe representa para Nesso, Sloane em Titã, e assim por diante.

O Farol, na verdade, apenas faz parte de um complexo maior, no meio do que vemos de Mercúrio no jogo. Porém, novamente, o novo planeta é muito curto, tem algumas patrulhas e apenas um evento público, aquele mostrado pela live da Bungie. Ele é divertido, mas acaba rápido quando tem muitos jogadores participando e o baú não compensa.

Destiny 2: A Maldição de Osiris

A expansão Destiny 2: A Maldição de Osiris faz parte de um Season Pass que inclui outro DLC que ainda não tem data, mas pode ser comprado separadamente. Se vale a pena? Sinceramente, só se você for muito fã da série, adora coletar todas as armas e armaduras novas e quer adentrar cada vez mais na mitologia deste universo. Jogo Destiny desde o primeiro dia de lançamento do primeiro jogo e nunca parei desde então, mas esta expansão foi a primeira que não me empolgou.

Assuntos

Pedro Cardoso

Carioca, jornalista e apaixonado por games, cinema e esporte. Jogo videogame desde o Atari.
Close