Review: Uncharted 3: Drake’s Deception

3 é sem dúvida um dos jogos mais épicos de todos os tempos, só rivalizando com Uncharted 2 e Shadow of the Colossus. É impresionante como os cenários são grandiosos e a trama te prende do inîcio ao fim, dosando ação, história e puzzles para resolver.

Veja também: Review de Uncharted Golden Abyss

As mudanças de um jogo para outro são nítidas, tanto do primeiro para o segundo, quanto do segundo para o terceiro. Porém, Uncharted 3 evoluiu não só nos gráficos, mas também na narrativa cinematográfica e isso é percebido durante todo o jogo. Mas para que isso fosse possível, os produtores deixaram o jogo um pouco mais linear.

Se antes você tinha tempo para explorar melhor o cenário e voltar para a sala anterior, agora você é “empurrado” para frente, sempre com algum escombro que caiu atrás de você. Isso acontece algumas vezes durante o jogo e pode ser um pouco frustrante, principalmente se você souber que tem um tesouro atrás da porta que você acabou de passar.

A história e a narrativa seguem o mesmo padrão dos jogos anteriores, a mesma receita de bolo. Porém, com um início diferente, que eu não posso descrever para não dar “spoiler”. O começo inovador já foi implementado em Uncharted 2, quando você iniciava o jogo em um acidente de trem, e em seguida, acompanha as aventuras de Nathan Drake até esse momento. Palmas para quem pensa nesses detalhes lá na .

Uncharted 3

Gráficos que impressionam

Os gráficos em Uncharted 3 deram mais um salto de qualidade, em uma direção que não sabíamos que seria possível. Os cenários estão maiores, mais bonitos e interativos; as florestas estão mais densas, os templos mais grandiosos. Tudo foi melhorado nesse jogo, incluindo as feições dos personagens.

A trilha sonora é impecável, trazendo o clima perfeito para cada cena do jogo. Nos momentos de solidão e angústia, toca um canto árabe. Nos momentos de ação frenética, o “play” é naquela trilha agitada que já estamos acostumados.

Dificuldade na medida certa

Uncharted 3 segue o mesmo nível de dificuldade dos jogos anteriores. Se você jogar no modo normal, poderá terminar o jogo em algumas horas, repetindo certa cenas apenas algumas vezes, e outras, passando de primeira. A dificuldade vem apenas no modo difícil (como o nome sugere), com vários soldados que atiram ao mesmo tempo, com lança-foquete, armas com mira laser, além de alguns outros que preferem o ataque físico. Nada diferente do que os anteriores.

Uncharted 3

Antes de comprar Uncharted 3, li várias reclamações quanto ao sistema de mira das armas. Se isso atrapalhava antes, deve ter sido resolvido com o primeiro patch, pois não senti nenhum impacto significativo na jogabilidade. Parece mais chororô.

Para esta terceira aventura, Nathan Drake adquiriu novos movimentos, principalmente no sistema de luta. Além de novos socos e chutes, Drake pode acabar com um bandido se jogando em cima dele, pulando de um lugar mais alto, ou até mesmo dando uma voadora no peito do cidadão.

Os produtores também incluíram mais interatividade com o cenário, justamente para reforçar o caráter cinematográfico que eu já citei anteriormente. Assim, quando você está brigando com um vilão, perto de um bar, Drake pega uma garrafa e acerta a cabeça do cara. Isso acontece algumas vezes durante o jogo, com objetos diferentes.

Diversão garantida

O fator diversão está elevado ao máximo em Uncharted 3. Em time que está ganhando não se mexe, e foi isso que a Naughty Dog pensou ao manter o clima cinematográfico das missões, diálogos curtos e bem humorados, cenários de cair o queixo, ação de todo tipo, e principalmente, personagens cativantes. Dificilmente você vai se irritar com algum momento do jogo.

Gráficos10
Som10
Jogabilidade9
Diversão8.5
9.4

Pedro Cardoso

Carioca, jornalista e apaixonado por games, cinema e esporte. Jogo videogame desde o Atari.