Street Fighter 5 - Ryu

Review: Street Fighter 5

Os jogos de luta são a minha paixão desde que joguei o II em um arcade perto da escola onde estudei na maior parte da minha vida, e fico feliz ao constatar que Street Fighter 5 mantém a essência e aquela diversão apesar de todo avanço gráfico. Sem dúvida, a fez um excelente trabalho aqui e toda a espera valeu a pena.

Veja também: Street Fighter 5 será lançado para Linux

A análise do jogo foi feita com a versão PC (conheça os requisitos mínimos e recomendados), mas é bom lembrar que ele é exclusivo do PlayStation 4 quando falamos de consoles. A produtora japonesa lançou SF5 no dia 16 de março com um total de 16 lutadores, mas prometeu acrescentar outros ao longo de 2016 através de DLC. Quem quiser, poderá adquirir cada um deles com “Fight Money”, a moeda do jogo.

Assim como anunciado pela Capcom, de fato, a jogabilidade está muito mais dinâmica e foi ajustada de uma forma que deixou o jogo agradável para quem é iniciante, e ainda robusto para quem é mais experiente ou até profissional. Os combos estão ali, os contra-ataques e as defesas também, tudo aquilo que enche os nossos olhos nos campeonatos. Mas se você não conseguir jogar em alto nível, ainda vai desferir alguns golpes e se divertir muito.

Diferente do gameplay de Street Fighter IV, que já era excelente, senti que a resposta ao controle ficou ainda mais rápida e fluida. Isso permite executar contra-golpes e combos com mais facilidade, mesmo para alguém não tão bom como eu. Ainda comparando com a edição anterior, a trilha sonora continua com a mesma qualidade, trazendo músicas que ditam o tom das lutas. Mas claro, nada será tão épico e clássico quanto Street Fighter II.

Os gráficos estão realmente fantásticos, e a nota para este quesito não poderia ser nada menor que dez. Os cenários estão mais ricos e vivos do que nunca, os efeitos do golpes e movimentos dos lutadores estão estonteantes. Street Fighter V dá uma aula de como um jogo 3D com mecânica 2D deveria ser.

Street Fighter V

A Capcom já anunciou também que em junho adicionará histórias dos personagens em formato cinemático, que chegará ao game por meio de uma DLC gratuita. Com certeza deixará o game ainda mais rico em conteúdo. Entretanto, estou fazendo o review neste momento, e até agora, esse aspecto ficou bem pobre.

A trama que envolve cada um dos lutadores é contada em imagens estáticas, como se fossem histórias em quadrinhos. Acho que esta estética poderia funcionar muito bem dentro de outro contexto, um jogo indie autoral e artístico por exemplo como Never Alone, mas não em uma superprodução de uma empresa gigante como a Capcom. Faltou capricho. Além disso, são apenas quatro lutas por personagens, mostrando que o foco está realmente no combate player vs player.

Multiplayer online é o ponto fraco

Ao mesmo tempo que o inovador multiplayer permite que jogadores do Windows e PS4 possam se enfrentar, e isso teoricamente deveria aumentar o número de desafiantes disponíveis, ainda assim é muito difícil encontrar alguém para jogar contra. Você pode ficar vários minutos esperando. Felizmente, o update de março de Street Fighter 5 trará uma solução paliativa para este problema (clique no link e entenda).

Gráficos10
Som8.8
Jogabilidade10
Diversão8
9.2

Pedro Cardoso

Carioca, jornalista e apaixonado por games, cinema e esporte. Jogo videogame desde o Atari.